Mostrando postagens com marcador Eclesiologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Eclesiologia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

COMPREENDA O QUE É, QUAL A SUA MISSÃO E QUAIS AS VANTAGENS DA IGREJA

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo


Muitas pessoas falam contra a Igreja e não sabem nem o que ela é, qual a sua missão e qual a sua importância que se mostra nas suas vantagens. Antes de enumerar as vantagens da Igreja Cristã para a vida das pessoas e pra a sociedade em geral. Vamos explicar melhor o que venha a ser igreja como organização jurídica, segmento social e como Corpo de Cristo.

I- ORGANIZAÇÃO RELIGIOSA
 
Pessoa Jurídica

A Lei 10.825, publicada no DOU de 23.12.03, coloca as igrejas na categoria de Pessoa Jurídica de Direito Privado, que é a de “Organização Religiosa”. Sendo pessoa jurídica e sem fins de lucro possui Estatuto e CNPJ. A igreja também pode ter regimento interno, se bem que não é obrigatório... Ela não paga impostos, mas é obrigada a declarar.

Os pastores e padres não são empregados da igreja. Eles são voluntários que exercem uma função sacerdotal. Não podem receber salários, recebem prebendas. Não possuem os direitos trabalhistas do trabalhador comum. O pastor pode recolher ao INSS, que, aliás, a igreja pode assumir tais despesas. Digo que ela pode, porque não é obrigada... Outros direitos que lhes couber não serão por obrigação de lei e sim por decisão da organização religiosa. Devido a tudo isto qualquer processo movido por um pastor ou padre sobre uma igreja para obter direitos trabalhistas é perda de tempo. A não ser que esta igreja tenha tipos de atividades que não é comum à forma de se trabalhar no caráter religioso que leve à justiça a reconhecer vinculo empregatício, como já aconteceu... Este pastor provou que tinha que cumprir metas da liderança como se fosse uma empresa... Todavia, em geral, não ocorre isto.

Para uma pessoa pertencer a esta organização religiosa, basta ser aceita pelo grupo e registrado em ata. Usando a Igreja Batista como exemplo, a pessoa pode vir a pertencer por meio de batismo, aclamação ou carta de transferência de outra igreja da mesma ordem e fé.

II- GRUPO SOCIAL

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Eclesiologia – A doutrina da Igreja

Publicado em 25/06/2009 por josiasmoura

A Igreja

Jesus projetou, claramente, a existência duma sociedade de seus seguidores que daria aos homens seu Evangelho e ministraria à humanidade no seu Espírito, e que trabalharia pelo aumento do reino de Deus como ele o fez. Ele não modelou nenhuma organização e nenhum plano de governo para essa sociedade… Ele fez algo mais grandioso que lhe dar organização — ele lhe concedeu vida. Jesus formou essa sociedade de seus seguidores chamando-os a unirem-se a ele, comunicando-lhes, durante o tempo em que esteve no mundo, tanto quanto fosse possível, de sua própria vida, de seu Espírito e de seu propósito. Ele prometeu continuar até ao fim do mundo concedendo sua vida à sua sociedade, à sua igreja. Podemos dizer que seu dom à igreja foi ele mesmo. — Robert Hastings Nichols.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Um novo conceito de igreja grande


Por Chip Sweney

Grande ou pequeno?

O uso mais comum do adjetivo “grande” já o explica de forma bastante óbvia. Grandes estacionamentos e edifícios, grandes templos e centros de atividades. Grandes coberturas da mídia, marketing e produção musical. Sistemas, estratégias e redes sociais. Compare nossa subcultura com o mundo. Grande significaria manter-se no ritmo.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Fé & Sinais

Jorge Fernandes

Algo evidente, e por demais evidente no evangelicalismo atual, são os sinais, ou melhor, a necessidade deles para se crer, para se ter fé. O pragmatismo tem-se difundido tanto em nosso meio que tudo o que não se pode ver, tocar, apropriar-se e exibir não funciona, logo deve ser descartado. Vivemos a época em que o material dita o espiritual, de tal forma que a vida neste mundo tem de ser uma prévia do sucesso a ser alcançado na eternidade. O imediato vira infinito; o temporal, eterno; o carnal, espiritual; assim como a dúvida se torna certeza; a tolice, sabedoria; o não-bíblico ganha contornos bíblicos, nem que seja na marra! Porém, fica a pergunta: isso é o Evangelho ou não passa de uma distorção do Evangelho, o contra-evangelho? A mensagem cristã travestida, corrompida, distorcida e rotulada pela mente humanista e seus valores decaídos?

domingo, 11 de dezembro de 2011

A Declaração de Cambridge

As igrejas evangélicas de hoje estão cada vez mais dominadas pelo espírito deste século em vez de pelo Espírito de Cristo. Como evangélicos, nós nos convocamos a nos arrepender desse pecado e a recuperar a fé cristã histórica.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Falência Evangélica


Pr.Marcio Gil de Almeida
www.prmarciogil.spaceblog.com.br

Este artigo poderá revoltar alguns irmãos ou confirmar o que outros já concluíram. Se você não está enquadrado nesta situação, não precisa ficar com raiva de mim. Não sou dono da verdade, mas sou um indignado com a apatia, negligência, incompetência e desunião do povo evangélico, principalmente, com os seus lideres. Vou contar aqui três casos:

Reformado ou Reformando: com o que nos parecemos?

Randy Booth
Como cristãos reformados, frequentemente somos questionados por aqueles de fora da Fé Reformada: “O que significa ‘reformado’?”. Muitas respostas breves estão disponíveis, a maioria das quais enfatiza alguma relação com o movimento protestante europeu do século XVI e a sua teologia. Mas o que pensamos de nós mesmos quando pensamos na palavra “reformado”? Há uma tentação entre alguns de nós quanto a romantizar o período histórico da Reforma e pensar nele como o nosso ideal. Pode ser um problema para nós pensarmos no termo “reformado” como antigo e no tempo pretérito. Isso pode levar cristãos reformados do século XXI a uma visão de certa forma distorcida dos objetivos atuais da igreja.