Mostrando postagens com marcador História da Teologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador História da Teologia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Lutero e o Começo da Reforma

Mais artigos de R. C. Sproul »Escrito por: R. C. Sproul



“Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; pois o querer o bem está em mim, mas não o realizá-lo. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero.” — Romanos 7.18-19

Protestantes ao redor do mundo celebram hoje sua distinção da Igreja Católica Romana com orgulho e regularidade. Todavia, quantos conhecem verdadeiramente a história por detrás da separação? O antigo adágio “você não pode saber para onde está indo se não souber de onde veio” pode não soar verdadeiro em toda situação, mas o estado doloroso da ortodoxia bíblica nas igrejas protestantes hoje demonstra o valor desse antigo provérbio. Os eventos que culminaram na Reforma do século dezesseis ocorreram em resposta ao tratamento e entendimento distorcido da Palavra de Deus na Igreja Católica Romana daquela época. Martinho Lutero foi o homem que desafiou o status quo errante e ascendeu a chama que queima até hoje.

I. As Raízes da Reforma

a. A frase em latim post tenebras, lux (“após trevas, luz”) resume o mote da Reforma do século 16. Essas “trevas” referem-se ao entendimento do cristianismo bíblico pela igreja, que se desenvolveu gradualmente durante a idade das trevas ao longo da era Medieval até o tempo da Reforma.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Comentário de Lutero Sobre o Estudo de Erasmo Acerca de Textos Que Negam o “Livre-arbítrio”




Argumento 1: Gênesis 6.3
Argumento 2: Gênesis 8.21 e 6.5
Argumento 3: Isaías 40.1-2
Argumento 4: Isaías 40.6-7
Argumento 5: Jeremias 10.23
Argumento 6. Provérbios 16.1
Argumento 7. João 15.5
Argumento 8. A cooperação do homem com Deus não comprova o “livre-arbítrio”
Conclusão

Finalmente chegamos ao ponto onde você trata do texto que usei para provar que o “livre-arbítrio” é falso.

Argumento 1: Gênesis 6.3: “O meu espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal”.
Em primeiro lugar, você argumenta que a palavra “carnal”, neste verso, significa a fraqueza humana. Todavia, o sentido desse termo é o mesmo de 1 Coríntios 3.1-3, onde Paulo chama os coríntios de “carnais” ou “mundanos”. Paulo não está se referindo à fraqueza, mas à corrupção. No trecho citado, Moisés está se referindo a homens que se casavam movidos por mera concupiscência, os quais estavam enchendo a terra de violência, ao ponto em que o Espírito de Deus não podia mais suportá-los. Você observará que, nas Escritaras, sempre que a palavra “carne” é contrastada com a palavra “espírito”, ela significa tudo aquilo que se opõe ao Espírito de Deus. Somente quando a palavra “carne” é usada isoladamente é que se refere ao corpo físico. A vista disto, essa passagem tem o seguinte significado: “Meu Espírito, que está em Noé e em outros homens santos, repreende os ímpios através da Palavra pregada, e através de suas vidas piedosas. Porém, isso é inútil, pois os ímpios estão cegos e endurecidos pela carne; e,

quanto mais são julgados, piores se tornam”. Isso sempre acontece, e é óbvio que, se os homens vão de mal a pior, mesmo quando o Espírito de Deus opera entre eles, então, são totalmente impotentes sem o Espírito. O “livre-arbítrio” não pode fazer nada além de pecar.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

As 95 Teses de Martinho Lutero

Martinho Lutero

Em 31 de Outubro de 1517, Martinho Lutero afixou na porta da capela de Wittemberg 95 teses que gostaria de discutir com os teólogos católicos, as quais versavam principalmente sobre penitência, indulgências e a salvação pela fé. O evento marca o início da Reforma Protestante, de onde posteriormente veio a Igreja Presbiteriana, e representa um marco e um ponto de partida para a recuperação das sãs doutrinas.

Movido pelo amor e pelo empenho em prol do esclarecimento da verdade discutir-se-á em Wittemberg, sob a presidência do Rev. padre Martinho Lutero, o que segue. Aqueles que não puderem estar presentes para tratarem o assunto verbalmente conosco, o poderão fazer por escrito.

Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

1ª Tese

Dizendo nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo: Arrependei-vos...., certamente quer que toda a vida dos seus crentes na terra seja contínuo arrependimento.

2ª Tese

E esta expressão não pode e não deve ser interpretada como referindo-se ao sacramento da penitência, isto é, à confissão e satisfação, a cargo do ofício dos sacerdotes.

3ª Tese

Todavia não quer que apenas se entenda o arrependimento interno; o arrependimento interno nem mesmo é arrependimento quando não produz toda sorte de modificações da carne.

4ª Tese

Assim sendo, o arrependimento e o pesar, isto é, a verdadeira penitência, perdura enquanto o homem se desagradar de si mesmo, a saber, até a entrada desta para a vida eterna.

5ª Tese

O papa não quer e não pode dispensar outras penas, além das que impôs ao seu alvitre ou em acordo com os cânones, que são estatutos papais.


6ª Tese

O papa não pode perdoar divida senão declarar e confirmar aquilo que Já foi perdoado por Deus; ou então faz nos casos que lhe foram reservados. Nestes casos, se desprezados, a dívida deixaria de ser em absoluto anulada ou perdoada.


7ª Tese

Deus a ninguém perdoa a dívida sem que ao mesmo tempo o subordine, em sincera humildade, ao sacerdote, seu vigário.


8ª Tese


Canones poenitendiales, que não as ordenanças de prescrição da maneira em que se deve confessar e expiar, apenas aio Impostas aos vivos, e, de acordo com as mesmas ordenanças, não dizem respeito aos moribundos.



9ª Tese

Eis porque o Espírito Santo nos faz bem mediante o papa, excluído este de todos os seus decretos ou direitos o artigo da morte e da necessidade suprema

Pergunta: "O que é Teologia Reformada?"

Resposta: De uma forma geral, Teologia Reformada inclui qualquer sistema de crença que traça suas raízes à Reforma Protestante do século 16. Claro que os Reformadores basearam sua doutrina nas Escrituras, como indicado no credo de “sola scriptura”, então teologia Reformada não é um “novo” sistema de crença mas um que procura dar continuação à doutrina apostólica.

Geralmente, teologia Reformada defende a autoridade das Escrituras, a soberania de Deus, salvação pela graça através de Cristo e a necessidade de evangelismo. Às vezes é chamada de Teologia do Pacto por causa da ênfase dada à aliança que Deus fez com Adão e a nova aliança que veio através de Jesus Cristo (Lucas 22:20).


Autoridade das Escrituras. Teologia Reformada ensina que a Bíblia é a inspirada e confiável Palavra de Deus, suficiente para todos os assuntos de fé e prática.


quinta-feira, 9 de maio de 2013

Grandes teólogos da Igreja Primitiva

Justino Mártir (100 a 165)

Justino talvez seja seja o maior dos Apologistas - escritores cristais do século II que se dedicavam à defesa do cristianismo diante de intensas críticas de origem pagã. Em sua obra “Primeira apologia”, Justino defendeu que podem ser encontrados sinais da verdade cristã em grandes escritores pagãos. Sua doutrina do LOGOS SPERMATIKOS (“palavra geradora”) permitiu-lhe afirmar que Deus havia preparado o caminho para a sua revelação final em Cristo por intermédio dos indícios de sua verdade, que estavam presentes na filosofia clássica. Justino nos fornece um importante exemplo inicial da tentativa de um teólogo em relacionar o evangelho à perspectiva da filosofia grega, tendência particularmente associada à Igreja oriental.

IRINEU DE LINON - 130 A 200

Acredita-se que Irineu tenha nascido em Esmirna (atual Turquia), embora posteriormente tenha se estabelecido em Roma. Tornou-se, por volta de 178, Bispo de Lion, posição que ocupou até a sua morte, duas décadas depois. Irineu é especialmente notável por sua defesa veemente da ortodoxia cristã, em face da objeção apresentada pelo gnosticismo. Sua obra mais importante “Contra as Heresias” representa uma defesa importante da compreensão cristã a respeito da salvação e, especialmente, do papel da tradição em se manter fiel ao testemunho apostólico, diante de interpretações não-cristãs.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Vida e obra de Martinho Lutero


Martinho Lutero
Uma das figuras mais polêmicas do cristianismo e responsável maior pela reforma protestante, Martinho Lutero nasceu em 10 de Novembro de 1483, na cidade de Eisleben, filho de Hans e Margareth Luther. Na manhã seguinte, festa de Martim de Tours, foi batizado com o nome do santo do dia, na igreja de São Pedro e Paulo.
Hans Luther, seu pai, foi fazendeiro, mineiro, dono de mina, e posteriormente fez parte do conselho da cidade de Mansfeld, para onde eles se mudaram quando Lutero tinha um ano de vida. O luterano Martin Marty1 descreve a mãe de Lutero como sendo uma grande trabalhadora da classe comerciante, enquanto nota que os inimigos de Lutero a descreviam como prostituta ou atendente de banheiros. Seus pais assinavam alternativamente os sobrenomes de Lüder, Luder, Loder, Ludher, Lotter, Lutter ou Lauther. A forma conhecida hoje como Luther foi escolhida pelo próprio Lutero por volta de 1512. Ele derivou seu nome ou do duque Leuthari ou da palavra grega ελεύθερος (livre), de onde ele tira a palavra flexionada Eleutherios (o livre)2.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Vida e obra de Tertuliano de Cartago


Tertuliano de Cartago
Figura contraditória e polêmica - mas de capital importância no contexto da Igreja primitiva - pouco se sabe dos dados biográficos de Tertuliano, em especial as datas de nascimento e morte. Sabe-se apenas que, como boa parte dos Pais da Igreja, Tertuliano era africano, nascido em Cartago (estima-se que por volta do ano 155 d.C.), e segundo Jerônimo relata, era filho de um centurião, o mais alto grau que um não romano podia atingir na hierarquia político-militar romana. Os cartagineses, desde os tempos de Aníbal e das Guerras Púnicas, 3 séculos antes de Cristo, nutriam uma especial aversão a Roma, e o cristianismo, nos seus primórdios, foi um fator aglutinador também do sentimento anti-romano. É nesse contexto que nasceu e viveu Tertuliano. Outra certeza que se tem a respeito dele é que suas obras foram escritas entre os últimos anos do século II e as duas primeiras décadas do século III.
O evangelho chegou à África provavelmente logo após o Pentecostes, já que, entre os ouvintes de Pedro naquele dia havia alguns judeus que habitavam “no Egito e em partes da Líbia” (Atos 2:10), e escavações na cidade de Hadrumeto (hoje na Tunísia) descobriram um cemitério judaico em que havia túmulos cristãos datados dos anos 50 e 60 d.C. O historiador Paul Johnson descreve a Igreja de Cartago como

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

A Teologia nas diversas fases da História da Igreja.



Companheiros de luta,

Fazendo uma análise, mesmo que breve, na história da teologia veremos que Deus tem levantado várias pessoas que se dedicaram ao estudo de Sua Santa Palavra, o que facilitou, grandemente, o nosso estudo e compreensão das verdades bíblicas nos dias de hoje. Não podemos esquecer que nada pode substituir a leitura da Bíblia, mas existem grandes obras que facilitam o nosso entendimento, para que possamos nos inteirar de todo o conselho de Deus. No post de hoje, abordaremos o assunto mostrando, sem a intenção de esgotar o tema, que nas diversas fases da historia, desde o surgimento da Igreja, a necessidade de se estudar as Doutrinas Bíblicas [ou Teologia] é uma constante na vida daqueles que servem verdadeiramentea Deus.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Vida e obra de Martinho Lutero


Gustavo0digg

Martinho Lutero Uma das figuras mais polêmicas do cristianismo e responsável maior pela reforma protestante, Martinho Lutero nasceu em 10 de Novembro de 1483, na cidade de Eisleben, filho de Hans e Margareth Luther. Na manhã seguinte, festa de Martim de Tours, foi batizado com o nome do santo do dia, na igreja de São Pedro e Paulo.
Hans Luther, seu pai, foi fazendeiro, mineiro, dono de mina, e posteriormente fez parte do conselho da cidade de Mansfeld, para onde eles se mudaram quando Lutero tinha um ano de vida. O luterano Martin Marty1 descreve a mãe de Lutero como sendo uma grande trabalhadora da classe comerciante, enquanto nota que os inimigos de Lutero a descreviam como prostituta ou atendente de banheiros. Seus pais assinavam alternativamente os sobrenomes de Lüder, Luder, Loder, Ludher, Lotter, Lutter ou Lauther. A forma conhecida hoje como Luther foi escolhida pelo próprio Lutero por volta de 1512. Ele derivou seu nome ou do duque Leuthari ou da palavra grega ελεύθερος (livre), de onde ele tira a palavra flexionada Eleutherios (o livre)2.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A soteriologia dos reformadores



Emílio Antonio Nunez

Sem dúvida a data de 31 de outubro de 1517 é de grande transcendência na história universal. A Reforma exaltou verdades bíblicas que formam o sustentáculo de nossa evangelização. De uma maneira e outra, todos os cristãos evangélicos são herdeiros da Reforma. Embora tenha sido um movimento de profundas repercussões culturais, sociais e políticas, é de bom alvitre agarrarmo-nos nesta mensagem aos seus fundamentos teológicos e, de maneira particular, à soteriologia dos reformadores. Para cumprir esse propósito, recorreremos a quatro grandes postulados da Reforma: Sola Gratia, Solo Christus, Sola Fide e Sola Scriptura.

Só a graça

Ensinam os reformadores que o pecador é justificado unicamente pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo. Neste caso, a graça é o favor divino que o homem não merece, mas que, em sua soberania e bondade, Deus quer dar-lhe. A salvação é obra de Deus, não do homem. Paulo diz: "Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto [a salvação] não vem de vós, é dom de Deus; não [vem] de obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2.8-9). Em outra Epístola, o apóstolo explica: "Se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça" (Rm 11.6).
O homem estende a mão vazia para receber, não a mão cheia para oferecer. Não tem nada a oferecer em troca de sua salvação. Tampouco pode cooperar com a graça divina para salvar-se. Está morto em seus delitos e pecados. Somente se dispõe a receber o favor de Deus.
O conceito de só pela graça é um golpe mui severo ao orgulho humano. Aqui não há lugar para a auto-suficiência, nem para a arrogância do que pretende salvar-se a si mesmo e a outros, mesmo por meio de esforços que aos olhos da sociedade parecem mui nobres e heróicos.
Deus é sempre ‘o Deus de toda a graça’(1 Pe 5.10). A salvação sempre foi, é e sempre será pela graça. Mas esta graça vem em plenitude na pessoa de Jesus Cristo (Jo 1.17). Cristo é o dom inefável de Deus ao mundo. O homem pode salvar-se em Cristo, não à parte de Cristo.

Só Cristo

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Introdução a História da Teologia Cristã

São ao todo mais de dois mil anos de história, e são anos repletos de tramas complexas, fatos emocionantes, pessoas interessantes e uma série de idéias fascinantes, que marcam e registram a História da Teologia Cristã. Uma história feita de pequenas histórias, e todas com um denominador comum, como numa única narrativa descrevem o desenvolvimento do pensamento Cristão.

Por isso ela se faz tão importante para nós, porque não podemos discutir nosso presente e muito menos nosso futuro teológico sem olhar para aquilo que já foi "estabelecido no passado" em meio a tantas dificuldades e perseguições, e talvez, podemos até afirmar, que um dos maiores erros que um teólogo possa cometer em nossos dias é dar as costas para o nosso passado, pois é impossível fazer teologia como se isso nunca tivesse sido feito antes. Karl Barth expressa essa idéia de uma forma contundente à medida que nota, nos debates teológicos do presente, a continua importância das grandes celebridades teológicas do passado:

sábado, 7 de abril de 2012

A crítica de Tomás de Aquino à noção de Deus existir no pensamento do insensato, no Proslógio de Anselmo


Este artigo visa demonstrar como Anselmo afirma a contradição do insensato ao negar a existência divina (já que esta está em seu pensamento), bem como apontar a crítica de Tomás de Aquino à afirmação de que “Deus existe” na mente do insipiente (crítica essa, que parece ser uma retomada à apologia de Gaunilo em defesa do insensato). 1 O trabalho se limitará aos capítulos 2, 3 e 4 do Proslógio de Anselmo, à Suma Teológica de Tomás de Aquino (1 q. 2 a, 2- 3), e ao comentário deste, feito por Etienne Gilson.

terça-feira, 13 de março de 2012

Afetos da razão: um estudo sobre mente, afetos e vontade em Jonathan Edwards (parte 1)

No fim dos anos 1940, um grupo de estudantes de teologia de Oxford, na Inglaterra, passou a reunir-se para estudar certos livros e escritos antigos que haviam deixado o cenário teológico há muitos anos. Este grupo redescobriu autores que haviam caído no ostracismo literário, por assim dizer, e, sua descoberta deu origem, no início da década de 1950, a um dos mais importantes movimentos de renovação teológica e literária que se deu no mundo anglo-saxão nos séculos XX e XXI. Através de uma série de conferências chamadas Conferências Puritanas (depois conhecidas como Conferências Westminster), realizadas na Capela de Westminster e coordenadas pelo jovem estudante J. I. Packer e pelo ministro da capela, o dr. D. Martyn Lloyd-Jones, os autores e a literatura redescobertos foram sendo estudados e seu trabalho e memória honrados e reaproveitados por uma geração de crentes que acabava de sair de um período de guerras e enormes decepções com o prometido avanço da era moderna. Os homens redescobertos? John Owen, Richard Baxter, George Whitefield e Jonathan Edwards, entre muitos outros notáveis puritanos do século XVI ao XVIII.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Introdução a História da Teologia Cristã


Introdução a História da Teologia Cristã
São ao todo mais de dois mil anos de história, e são anos repletos de tramas complexas, fatos emocionantes, pessoas interessantes e uma série de idéias fascinantes, que marcam e registram a História da Teologia Cristã. Uma história feita de pequenas histórias, e todas com um denominador comum, como numa única narrativa descrevem o desenvolvimento do pensamento Cristão.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Calvino, o Teólogo do Espírito Santo


Meu tema nesta postagem é "Calvino, o teólogo do Espírito Santo." Devo começar dizendo que este título não foi dado a Calvino pelos seus contemporâneos, mas sim pelos estudiosos modernos, reconhecendo a sua importância como teólogo e exegeta para esta área da Teologia que está em tanta relevância hoje.