Mostrando postagens com marcador Sermão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sermão. Mostrar todas as postagens

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Estudo Sobre Autoridade

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Insatisfação


Ossos estigmatizados pela Fé e Visão


quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

O Engôdo Satânico e a Veracidade Divina

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo

domingo, 16 de agosto de 2015

SALMO 22- SALVAÇÃO EM MEIO À PERPLEXIDADE EXTREMA DOS PROBLEMAS

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo

a)       Perplexidade extrema (1-21a)

1.      SEM ESPERANÇA, APELOS E EXPERIÊNCIAS DOS PASSADO (1-11).
1,1, O questionamento gerado pelo dor
1  Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? por que estás afastado de me auxiliar, e das palavras do meu bramido?
1,2. O clamor continua, mas tem dificuldade para dormir
2  Deus meu, eu clamo de dia, porém tu não me ouves; também de noite, mas não acho sossego.
1.3.            Mesmos assim ele não a noção de quem é o seu Deus.
3  Contudo tu és santo, entronizado sobre os louvores de Israel.
1.4. A história prova que vale apena confiar em Deus
4  Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste.
5  A ti clamaram, e foram salvos; em ti confiaram, e não foram confundidos.
1.5.Humildade humilhação
6  Mas eu sou verme, e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo.
7  Todos os que me vêem zombam de mim, arreganham os beiços e meneiam a cabeça, dizendo:
8  Confiou no Senhor; que ele o livre; que ele o salve, pois que nele tem prazer.
1.6.Ele conhece o seu Deus

terça-feira, 30 de junho de 2015

Esperança




Texto: I Corintios 13.13.



Introdução: Definição- Ato de esperar,aguardar.

Ilustração

O agricultor ara a terra com esperança (Ou não o diz certamente por nós? Com efeito, é por amor de nós que está escrito; porque o que lavra deve debulhar com esperança de participar do fruto. I Corintios 9.10) ,pois é a esperança da recompensa que alivia o trabalho.

A maioria dos pensadores seculares do mundo antigo não considerava a esperança como uma virtude, mas meramente como ilusão temporária. O apostolo Paulo, afirmava que os pagãos não tinham esperança (Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança. I Ts. 4.13) por estarem sem Deus.



I-Onde existe a crença no Deus vivo, que age e intervem na vida humana, e no qual podemos confiar de que porá em vigência as promessas, A ESPERANÇA torna-se possível. 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Uma parábola para ter consciência da importância da oração

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo



Lucas 18:1-8

1 E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer,

O Grau de dificuldade existe

2 Dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O PÃO, O VINHO E O AZEITE DE DEUS


Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo


TEXTO: Salmo 104: 15
Introdução – O vinho vem da uva (vide), o pão vem do trigo e o azeite vem da azeitona (oliva). Todos eram a riquezas de Israel na agricultura. E havia festas das colheitas da lavoura.
Comentar o Salmo 104 superficialmente.
I-                    E O VINHO:
1-      Aliança
2-      Compromisso
3-      Prazer em viver – Jo. 2:-1-12
4-      Autenticidade – Na Festa de Babete (filme ou livro), quando os participantes começam a beber o vinho, começam a si soltarem e a mostrarem o que realmente pensam e são.
5-      Conforto Pv. 31:6

domingo, 23 de novembro de 2014

A MULHER CANANÉIA

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo



Texto: Mateus 15:21-28

Introdução – Até onde uma mulher pode ir pela sua filha? Esta mulher foi ao extremo e ganhou muito mais do que a cura da filha.

I – JESUS FOI ÀS TERRAS DE TIRO E SIDOM
E, partindo Jesus dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.

Jesus saiu da Galileia e andou 100 km para Sidom e Tiro. A cidade de sidom levou o nome do filho de Canaã, filho de Noé. Era uma região idolatra.

II – UMA MULHER CANANÉIA DESESPERADA, PEDE SOCORRE A JESUS EM FAVOR DA SUA FILHA ENDOMINIADA

E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O MONTE HERMOM

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo

“Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.” Salmos 133:2-3

Introdução


Altitude 2814 m (9230 pés)
Localização Israel (Área ocupada das Colinas de Golã), Síria, Líbano, Cordilheira Antilíbano
O Monte Hérmon (em hebraico: , transl. Har Hermon, "montanha sagrada"; em língua árabe: جبل الشيخ, transl. Djabal el-Sheikh,  "montanha nevada") é uma montanha localizada na porção terminal sul da cordilheira do Antilíbano, na fronteira Líbano-Síria.1 Com 2814 metros de altitude, o seu pico está quase sempre coberto de neve, enquanto as terras ao redor queimam pelo sol de verão.

O Monte Hérmon na Bíblia


O Monte Hérmon foi chamado também de Baal-Hermon (Jz 3.3; 1Cr 5.23). Seu nome aparece na poesia hebraica (Sl 89.12; 133.3; Ct 4.8). É o "alto monte" de Mt 17.1; Mc 9.2 e Lc 9.28, o monte da transfiguração.

I- Explicando a relação da importância  na menção do Monte Hermom no verso 3

II- O que não muda em ir ao monte visando a oração?

1- O Deus não muda. Continua sendo o mesmo Deus. Não há Deus dos montes e Deus das planícies. Deus é Deus em todos os lugares.

2-  As qualidades de Deus não mudam. O seus atributos e operação continuam sendo as mesmas

3-    O querer de Deus não muda. Ele sempre está pronto para ouvir. O seu querer sempre é soberano.

4-    A distância de Deus para nós não muda

III-           Afinal de contas, qual a diferença que  faz em ir ao Monte?

1-    A diferença é que reservamos um espaço separado, especial para nos reunir. Os povos consideravam sagrado o Monte Hermom

2-    No monte, pela sua distancia e dificuldade de acesso, poucos vão. Isto significa maior privacidade. Só pessoas com muito interesse vão ao monte orar.

3-    Com maior privacidade podemos  ter maior dedicação a Deus, em nossa mente, sentimento e ações. Isto quer dizer consagração e foi o que Moisés fez. Ele subiu ao monte por quarenta dias e jejuou.

4-    Devido esta dedicação sentiremos uma presença maior de Deus, poderemos crescer nesta comunhão e nos fortalecer.

5-    Como estamos orando mais, mais respostas teremos. As lutas em oração não são fáceis, mas Deus honra quem persevera.

6-    Mais resposta pode significar até mesmo milagres.  É o orvalho resultante do Monte Hermom, partículas de neve, e o vento quente do Mar Morto que produz a vida.  Quando vamos ao monte podemos trazer sobre nós pequenas partículas de neve das orações   e que ao descermos possamos encontramos o vento quente do nosso dia a dia, e vermos o milagre do orvalho de Deus sobre nós.

7-    Conclusão 

O monte é um lugar usado para buscar grandes vitórias.

Um Convite à Vida

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo


Texto:  Isaías 55:3 “ Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei um pacto perpétuo, dando-vos as firmes beneficências prometidas a Davi.”

Introdução

O versículo esta dividido em duas partes.  A primeira parte  fala  de como chegamos a ter vida e a segunda parte, Deus explica que o desejo dEle em nos dar a vida é nos proporcionar o privilégio de ter uma aliança  com promessas.

I– A  primeira parte mostra o caminho para alcançar a vida:

        a- Não é o homem que propõe a mudança. É Deus que dar a ordem. Os verbos inclinar, ver, ouvir estão no modo imperativo
         b- Para estarmos num ESTADO DE VIDA, precisamos verbalizar  e/ou agirmos:
                   b.1.  Inclinai –dar atenção
                   b.2. Vinde – Estar do lado ou ficarmos do lado de Deus
                   b.3. Ouví -  Crer e obedecer
                   b.4. Viverá – MODO INDICATIVA – receber vida. Ter vida prosperamente, viver para sempre, ter a vida ou a saúde recuperada

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Nascer de Novo

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo


TEXTO  João 3:3-7




















INTRODUÇÃO

I - CONDIÇÕES DO NOVO NASCIMENTO


a- Alguém só pode nascer de novo se primeiro EXISTIR
b- Uma pessoa só pode nascer de novo se desejar tal experiência
c- O Novo Nascimento só é possível se formos alimentados pelo pelo Espírito Santos e pela Palavra de Deus
d- Para alcançar o novo nascimento, assim como o nascimento físico, é necessário perseverar em meios aos apertos e dores do parto, tais como arrependimento, conversão, renúncias, até mesmo a rejeição de muitos que virá etc.
e- Para nascer de novo é necessário aceitar as mudanças na vida que virão

terça-feira, 18 de novembro de 2014

O CAMINHO DE JESUS

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo

INTRODUÇÃO

o caminho de Jesus não é apenas cruz. Ele é muito mais amplo do que a prisão mental e unificada da cruz. A cruz está no caminho proposto por cristo e vamos visualizar a amplitude do caminho de Cristo:

I-                  No caminho proposto por Jesus  há cruz a para ser carregada Mateus       16:24: “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me”.
II-              No caminho de Jesus temos a   Palavra de Deus para nos sustentar Mateus 4:4

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Bem-aventurados os que Choram

Marcio Gil de Almeida
Teólogo e Pedagogo

Texto: Mateus 5:4

4  "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados".

Introdução -  Citar as seguintes vantagens do choro para a vida psicológicos, física e também o mau uso:

1 -As lágrimas derramadas ativam a produção de uma enzima que atua como anestésico natural. É por essa razão que, após o pranto, 88,8% das pessoas sentem uma melhora no humor. Chorar faz bem a saúde.

2- As lágrimas também são encarregadas pela produção do fluido lacrimal que protege o globo ocular, mantendo-o livre de irritações

3- Um choro pode emocionar a outras pessoas e pode entrar para história

4- Chorar pode demonstrar

domingo, 30 de setembro de 2012

A PALAVRA DE DEUS QUE TRANSFORMA

TEXTO: JEREMIAS 18:1-6.
INTROÇÃO

I-A Palavra de Deus vem até nós com uma ordem. V.1,2
1 A palavra que veio do Senhor a Jeremias, dizendo:
2 Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras.
II- A obediência da Palavra nos leva a uma visão e compreensão V. 3,4:
3 Desci, pois, à casa do oleiro, e eis que ele estava ocupado com a sua obra sobre as rodas.
4 Como o vaso, que ele fazia de barro, se estragou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos fazer.
III- A Palavra de Deus nos trás uma promessa de mudança. V. 5,6.
5 Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
6 Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o Senhor. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.

Processo de mudança pode ser doloroso.

Ilustração
33 - Ferreiro.
"Era uma vez um ferreiro que, após uma juventude cheia de excessos, resolveu entregar sua alma a Deus. Durante muitos anos trabalhou com afinidade, praticou a caridade, mas, apesar de toda sua dedicação, nada parecia dar certo na sua vida. Muito pelo contrário: seus problemas e dívidas acumulavam-se cada vez mais.
Uma bela tarde, um amigo que o visitara, e que se compadecia de sua situação difícil, comentou: "É realmente estranho que, justamente depois que você resolveu se tornar um homem temente a Deus, sua vida começou a piorar. Eu não desejo enfraquecer sua fé, mas apesar de toda a sua crença no mundo espiritual, nada tem melhorado".
O ferreiro não respondeu imediatamente. Ele já havia pensado nisso muitas vezes, sem entender o que acontecia em sua vida.
Entretanto, como não queria deixar o amigo sem resposta, começou a falar e terminou encontrando a explicação que procurava. Eis o que disse o ferreiro:
"Eu recebo nesta oficina o aço ainda não trabalhado e preciso transformá-lo em espadas. Você sabe como isto é feito? Primeiro eu aqueço a chapa de aço num calor infernal, até que fique vermelha. Em seguida, sem qualquer piedade, eu pego o martelo mais pesado e aplico golpes até que a peça adquira a forma desejada. Logo, ela é mergulhada num balde de água fria e a oficina inteira se enche com o barulho do vapor, enquanto a peça estala e grita por causa da súbita mudança de temperatura. Tenho que repetir esse processo até conseguir a espada perfeita: uma vez apenas não é suficiente".
O ferreiro deu uma longa pausa, bebeu um copo de água e continuou: "As vezes, o aço que chega até minhas mãos não consegue agüentar esse tratamento. O calor, as marteladas e a água fria terminam por enchê-lo de rachaduras. E eu sei que jamais se transformará numa boa lâmina de espada. Então, eu simplesmente o coloco no monte de ferro-velho que você viu na entrada de minha ferraria."
Mais uma pausa e o ferreiro concluiu:
"Sei que Deus está me colocando no fogo das aflições. Tenho aceito as marteladas que a vida me dá, e às vezes sinto-me tão frio e insensível como a água que faz sofrer o aço.
Mas a única coisa que peço é: "Meu Deus, não desista, até que eu consiga tomar a forma que o Senhor espera de mim. Tente da maneira que achar melhor, pelo tempo que quiser - mas jamais me coloque no monte de ferro-velho que não tem mais solução".


CONCLUSÃO

Autor do texto: Pr. Marcio Gil de Almeida

domingo, 2 de setembro de 2012

A s 3 pregações das quais estou correndo

Falar, falar, falar e não conseguir comunicar a mensagem?

Não precisa de muito. Depois um certo tempo de igreja, qualquer um começa a ficar especialista nas estruturas das pregações, de tanto ouvi-las. Ouvimos no mínimo uma pregação por semana.

Por outro lado, nós pastores, líderes e pregadores, por causa da rotina eclesiástica temos que preparar duas, três ou até mais pregações durante a semana. Além de ter que estar com a vida santa, ouvir a voz de Deus, escolher o texto certo, pesquisar os comentários e fazer uma exegese básica, precisamos saber comunicar o que entendemos da Palavra.

Não é fácil fazer isso tudo antes de pregar e ao mesmo tempo atender as demandas que o ministério pastoral trás.

Nada pior que sentar por uns 40 minutos para ouvir uma pregação e chegar no final e não ter absorvido quase nada e sentir que esta saindo dali praticamente do mesmo jeito que entrou.

Lógico que pode ser culpa do ouvinte por distração, falta de interesse, falta de ouvidos para ouvir, etc. Mas hoje gostaria de falar sobre três tipos de pregação das quais eu estou correndo ao preparar, como pregador, e ao ouvir como ovelha.

História sem fim:

Como já falei, devido a correria do ministério e ao acumulo de funções em cima dos pastores, muitas vezes eles não tem tempo de preparar a mensagem como deveriam, e quando isso acontece, geralmente, a pregação vira uma história sem fim.

Como o pregador não tem bem certo aonde ele quer chegar com sua fala, ele nunca chega. Fala, fala, fala e não consegue comunicar a mensagem.

Às vezes chega a ser desesperador, pois a gente vê que ele quer acabar, mas não consegue falar. Com isso fala várias vezes “para acabar”, “finalizando”, mas só quer dizer: Ai, ai, ai ainda não senti que falei o que queria falar.

Temos o mito que quando um pregador demora muito em uma pregação é porque ele tem muito conteúdo para falar. Mas isso não é verdade. Boa parte é simplesmente porque ele não preparou o suficiente.

Quando preparamos uma mensagem, a primeira parte é a coleta de dados históricos, gramaticais, ilustrações, etc. Mas a segunda parte é a eliminação de informações extras e o foco na mensagem principal. Se não temos tempo para essa limpeza, ficamos na primeira parte, com uma história sem fim.

Incógnita e confusa:

Outro problema quando o pregador não tem tempo de preparar é subir no púlpito sem saber a mensagem principal. Então ele vagueia de uma ideia a outra, de um versículo a outro, como uma grande colcha de retalhos.

Sabe qual o problema dessas mensagens? É o mito que carregamos de que se não entendemos nada da mensagem é porque ela foi muito profunda e a culpa foi nossa de não conseguirmos entendê-la.

Confundimos pregações profundas com pregações confusas, e também o contrário é verdade, confundimos pregações claras e de fácil compreensão com pregações rasas e sem conteúdo.

Uma boa pregação precisa ter unção de Deus, exegese, bons exemplos, mas fundamentalmente, uma boa pregação precisa ser clara e bem compreendida.

O Limbo:

A última pregação da qual eu estou correndo e que também é fruto de quem não teve tempo o suficiente para preparar é aquela que começa com qualquer versículo, com qualquer tema, mas depois de 5 minutos cai no limbo repetitivo e igual às outras centenas de pregações que você já ouviu, sem terem sido preparadas.

Esse é um costume muito comum de quem não prepara a mensagem, uma palavra que cai no mesmo limbo todos os domingos e deixa você com a sensação de que está vendo um filme da sessão da tarde, onde o texto e o tema são novos, mas todo o resto é a mesma coisa.

Sei que a mensagem da cruz de Cristo é a mensagem principal e tem que ser repetida para novos e velhos crentes. Não é isso que eu estou chamando de limbo.

Amo ouvir uma boa pregação, onde sou corrigido, doutrinado, desafiado, animado, inspirado e confrontado. Mas as mensagens sem preparo e vazias, estou correndo delas.

___________________________________________________________________________________
Texto de Marcos Botelho, fonte:
http://ultimato.com.br/sites/marcosbotelho/2012/05/21/as-3-pregacoes-das-quais-estou-correndo/

 


COMENTE ESTA POSTAGEM.

A PALAVRA PODEROSA QUE PODE MUDAR SUA VIDA!

“E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, SOBRE A TUA PALAVRA, lançarei a rede. E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes...” Lucas 5:4-6  
Era uma manhã normal de um dia qualquer da semana no território de Israel da década de 30, e alguns pescadores estavam terminando mais uma de suas cansativas jornadas de trabalho, só que daquela vez, sem nenhum sucesso! Pedro era um deles, um simples pescador por profissão. Ele tinha sócios neste trabalho e sua família vinha de uma linhagem de pescadores. O mar da Galileia, ou lago de Genezaré (como é chamado neste texto) já era o seu local de trabalho diário há muito tempo. Ele sabia, humanamente falando, que naquela hora da manhã provavelmente não conseguiria pescar mais nada, sobretudo se a noite anterior já tivesse sido muito ruim, e por isso os barcos já estavam ancorados e as redes sendo lavadas. Foi nessa hora que surgiu Jesus pregando para uma multidão que quase o atropelava, e se dirigiu a Pedro pedindo-lhe seu barco emprestado para utilizar como púlpito. Pedro cedeu o barco e o sermão continuou. 50min depois o mestre lhe chamou de novo e disse: Pedro! Faze-te ao largo e lança as redes, e ele o fez! O resultado? Daqui a pouco falaremos sobre isso!
Há comentaristas que crêem que nesta ocasião Pedro já seguia a Jesus, mas não com toda sua dedicação. Os outros evangelistas não mencionam essa pesca maravilhosa, mas falam de um episódio muito parecido com este onde Jesus passa nesse mesmo lugar e convida Pedro, André, Tiago e João para segui-los, contudo há algumas diferenças. Outros já crêem que este episodio é o mesmo relatado também por Mateus (Mt.4:18-22) e Marcos (Mc.1:16-20) só que aqui, a história aparece com um pouco mais de riquezas de detalhes. Uma coisa é certa, dessa vez Pedro não teve pra onde fugir e acabou deixando tudo para servir unicamente ao Mestre. 
Segundo Lucas, um historiador muito detalhista, há pelo menos três enfoques neste episodio, que o diferem totalmente do outro narrado por Mateus e Marcos. 1º - Lucas nos informa que antes de se encontrar com Pedro naquela manhã, Jesus já havia passado em sua casa e curado sua sogra. 2º - Lucas também nos informa que ao se dirigir a Pedro para lhe pedir o barco emprestado, Jesus o fez como se já o conhecesse. 3ª – Por outro lado, ao dialogar com Jesus, Pedro lhe chamou de Mestre “epistata” (que em grego quer dizer “aquele que tem o direito de mandar”). Só os discípulos chamavam Jesus de mestre dessa forma. Isso nos faz ficar com a primeira teoria, de que eles (Pedro e Jesus) de fato já se conheciam antes. Didaskalos (que em Grego significa “aquele que instrui, ou professor – Rabi”) era a outra forma de se chamar Jesus de Mestre, e essa era muito mais comum a todos os demais que não eram seus discípulos.
Agora que já conhecemos os dois personagens principais do texto, vamos tentar entender melhor tudo o que aconteceu naquela manhã, e tirar algumas lições preciosas, aplicando-as a nossa própria vida.
         Pense comigo! Qual era a situação dos pescadores? Em primeiro lugar, de acordo com sua fala, nota-se que eles estavam desanimados - “... Nada apanhamos...” (v.5). Em segundo lugar, ao considerar a resposta de Pedro a Jesus, podemos ver que eles também estavam exaustos “... Havendo trabalhado a noite toda...” (v.5). Em terceiro lugar, por haverem desembarcado (v.2), posso afirmar que eles já tinham desistido. E em quarto lugar, por já estarem lavando as redes (ninguém lava suas ferramentas de trabalho pra depois sujar de novo), fica claro que eles já não mais consideravam, em hipótese alguma, a possibilidade de continuar pescando depois de terem passado aquela noite toda sem resultados (v.2).

As Desculpas de Moisés

Tentando Fugir da Responsabilidade

Moisés nasceu num momento crítico. O povo dele, os descendentes de Abraão escolhidos para receber grandes promessas, estava sofrendo terrivelmente. Os egípcios dominavam os hebreus com tirania, e até matavam os filhos recém-nascidos para controlar o crescimento da nação escrava. A mãe de Moisés escondeu o próprio filho e, depois, deixou que ele fosse adotado por uma princesa do Egito.

Moisés viu a injustiça e tentou defender seu povo. Ele matou um egípcio que espancava um dos hebreus, imaginando que o povo lhe daria apoio. Mas, o povo medroso não entendeu o que Moisés queria fazer, e ele tinha que fugir do Egito. Dos 40 aos 80 anos de idade, ele ficou longe do Egito, servindo como humilde pastor de ovelhas. Neste tempo, ele casou e teve filhos. Talvez ele conseguiu esquecer um pouco do sofrimento dos parentes no Egito. Até um dia, quando Deus apareceu no monte Sinai, numa moita que ardia mas não se queimava. Deus mandou que Moisés descesse para o Egito para livrar o povo da escravidão.

Moisés, com 40 anos de idade e com todo o vigor físico e o desejo ardente de ajudar os parentes, não conseguiu fazer nada. Agora, com 80 anos, vai fazer o que? Vai entrar na presença do rei do país mais poderoso do mundo e exigir a libertação de milhões de escravos? Moisés se considerava um libertador pouco provável, e começou a oferecer suas desculpas ao Senhor. Vamos examinar as cinco desculpas que ele deu, e a maneira que Deus respondeu a cada uma. O relato se econtra em Êxodo 3 e 4.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

SALMO 4 – UM PEDIDO POR AJUDA FEITO A NOITE

TEXTO: SALMO 4
Introdução: Uma oração noturna. Era usada acompanhada de instrumentos (neginote)

I- URGENTE APELO A DEUS V.1
1. OUVE-ME quando eu clamo, ó Deus da minha justiça; na angústia me deste largueza(alivio,ajuda); tem misericórdia de mim e ouve a minha oração.

II- CONSELHO SÁBIO PARA O PROXIMO. V.2-5

1- Não ao insulto e à calunia
2 Filhos dos homens, até quando convertereis a minha glória em infâmia? Até quando amareis a vaidade e buscareis a mentira? (Selá).
2- Sim ao amor a Deus, pois promoverá o cuidado de Deus sobre nós
3 Sabei pois, que o Senhor separou para si aquele que lhe é querido; o Senhor ouvirá quando eu clamar a ele.
3- Sejam temperantes e ensinem aos vossos corações na vossa intimidade
4 Perturbai-vos e não pequeis; falai com o vosso coração sobre a vossa cama, e calai-vos. (Selá).
4- Ofereçam culto a Deus com integridade e confiem em Deus.
5 Oferecei sacrifícios de justiça, e confiai no Senhor.

III- CONFIANÇA SERENA EM DEUS. V. 6-8

1- É o Senhor que nos ilumina
6 Muitos dizem: Quem nos mostrará o bem? Senhor, exalta sobre nós a luz do teu rosto.
2- A alegria do Senhor é sem igual
7 Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se multiplicaram o seu trigo e o seu vinho.
3- A tranqüilidade vem do Senhor.
8 Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, Senhor, me fazes habitar em segurança.

CONCLUSAO

Faça uma retrospectiva, aplicação e apelo segundo o tema.